Logotipo Rennato Alves

DESENHAR LOGOTIPOS É ULTRAPASSADO

DESENHAR LOGOTIPOS É ULTRAPASSADO

 

Existem tantas definições para uma marca que é difícil encontrar uma resposta rápida e certeira para o que ela significa. Provavelmente você a defina somente como um símbolo e você está certo - em parte.

A American Marketing Association (AMA), diz que "uma marca é um nome, termo, símbolo, desenho ou uma combinação desses elementos que deve identificar os bens ou serviços" e José Roberto Martins, CEO da GlobalBrands, trata como “a união de atributos tangíveis e intangíveis, simbolizados num logotipo, gerenciados de forma adequada e que criam influência e geram valor”. Assim, uma marca é mais do que um símbolo, é tudo o que uma empresa representa. É um serviço, um produto e uma experiência para o cliente.

As marcas, por si só, trazem uma série de manifestações sensoriais visuais, linguísticas e sonoras. Cada um desses pontos trazem identidade para uma empresa e é exatamente a junção deles que é possível alcançar diferenciação frente à concorrência.

Tybout diz que “a marca deixa de ser apenas um nome quando consegue se relacionar com outros atributos”, mostrando que é possível criar um referencial associativo moldando a percepção do consumidor através de atributos que distinguem a marca. Por exemplo: criar um atributo sonoro para a marca faz com que o som, ao ser ouvido pelo consumidor, lembre-o de que aquela marca existe.

No século em que estamos, imputar atributos à construção de marcas passa a ser algo necessário, trazendo significado emocional e propostas de valor.

O problema é que muitos designers - às vezes por influência do cliente - têm esquecido de considerar o que a marca precisa transmitir e acabam criando somente um desenho sem significado algum.

Como resultado desse cuidado, conseguiremos perceber um aumento de valor nas marcas. A exemplo, podemos citar a Apple - uma das maiores empresas atuantes no mercado de tecnologia, criada em 1976 por Steve Jobs e Steve Wozniak - que tem uma proposta de valor bem clara: ela construiu sua marca pensando na experiência do consumidor e em soluções para o cliente. Diferentemente da Xerox - nascida nos anos 1940 em uma pequena fábrica de produtos fotográficos - que apenas vendia uma copiadora. A Apple evoluiu e tem evoluído constantemente, já a Xerox se tornou uma "âncora" - como algo que "não sai do lugar".

Criar um logotipo ideal exige tempo de estudo e pesquisa. É preciso incorporar em um símbolo técnicas de semiótica, psicologia e conceitos específicos para alcançar muito mais do que uma marca de boa estética: uma marca de valor.

Desenhar logotipos já é ultrapassado, abandone essa ideia! Foque naquilo que a marca precisa comunicar e lembre-se que para chegar nesses objetivos é necessário muito estudo e prática. Temos certeza de que essa mudança não acontecerá da noite para o dia - até os designers mais experientes e reconhecidos por seu trabalho têm dificuldades para criar uma marca que transmita emoção. Se você não conseguir aplicar conceitos à sua marca de primeira, estude o briefing um pouco mais e tenha referências. Com o tempo você vai deixar de pensar em "como desenhar uma marca" e vai passar a pensar em como transmitir algo através do seu design.

Se você tiver curtido esse conteúdo, compartilhe-o e deixe seu feedback aqui nos comentários, ele é muito importante!

Karen Alves
Karen Alves

Designer e Social Media

Deixe seu Comentário

Rennato Alves
Entre em Contato

Como eu posso ajudar você hoje?